NELI SILVA

"Há Coisas Escondidas Sutilmente No Recôndito da Alma..."

Textos




O Caramanchão.

Uma senhora já bem velhinha pôs a sua modesta casa á venda. E numa tarde, quando sentada na varanda sorria docemente para o seu imenso caramanchão , surgiu como por encanto, um jovem interessado.
- Bom dia,Senhora!
- Bom dia meu rapaz!
- Está vendendo a casa?
- Sim. Está interessado em comprá-la?
- Talvez... Podemos conversar?
- Sim, bom moço entre sente-se ao meu lado e conversemos sem pressa.
O rapaz sentou-se, logo perguntando:
- A Senhora Mora sozinha?
- Moro sozinha. Meus filhos, marido, netos, bisnetos também já foram. Fiquei só.
- O rapaz sentiu um leve aperto no coração, tristeza que logo passou quando percebeu nos olhos da velha senhora, uma paz contagiante.
- Perdoe a curiosidade: a senhora não sente solidão neste lugar tão isolado? A cidade mais próxima fica há quilômetros daqui.
- A velhinha olhou-o por um longo tempo, em silêncio. Levou quase uma eternidade para dizer com simplicidade:
- Não estou sozinha!
- Desculpe, mas não vejo ninguém por perto.
- Ela sorriu de novo – Engano seu. Todos que amo estão bem á minha frente. Vejo-os todos os dias!
- Perdão Senhora. Preciso ir, Pensando bem esta casa não é o que procuro.
A velha Senhora olhou- no fundo dos olhos sorrindo docemente, mas havia tanta magia naquele olhar que o rapaz, sentou-se imediatamente.
- Perdoe. É que não vejo ninguém aqui além de nós dois
- Preste atenção no Caramanchão!
O rapaz deu de ombros brincando – É apenas um varal de flores, nada mais!
- A velhinha sorriu gostoso:
- Ah! Jovens! Nunca enxergam nada!
- Perdoe, eu deveria enxergar o que?
- Todos aqueles rostos que não tiram os olhos de você!
- Rostos?São sós flores!
(lá ia ele levantar-se de novo, porem nocauteado pelo mistério, sentou-se).
- Afinal, quem é a Senhora?
- Hortência, meu nome é Hortência.
- S e me permite uma observação: A senhora tem vivido muito só Dona Hortência e Com todo o respeito, pode estar imaginando coisas! ESTAMOS APENAS DIANTE DE UM MAGNÍFICO CARAMANCHÃO!
- Moço, se me permite uma observação de alguém que aprendeu a enxergar as coisas com os olhos da alma: você sim! Não está como diria minha mãe, conseguindo enxergar um palmo adiante do nariz!
- A Senhora está brincando comigo? (Dona Hortência puxou a cadeira para bem perto do rapaz e apontou para uma dália branca que de tão linda e viçosa, parecia sorrir).
- Está vendo? Aquela é a minha mãe!
- A sua mãe? (o rapaz riu debochando, a velhinha insistiu gravemente)
- Olhe bem, procure ver através das aparências – esqueça a flor que seus olhos conhecem desde que você nasceu – esqueça as pétalas da flor, olhe bem! Procura enxergar a essência das coisas, moço... A alma da flor... Vamos... Aprofunda o seu olhar, – OLHE!
O rapaz até que se esforçou, mas seu esforço foi inútil:- Desculpe senhora, por mais que me esforce estou vendo apenas uma dália grande, bem maior que as outras flores, e branca, muito branca! Branca!
- Tolo!Esqueça os olhos físicos – procure enxergar com a sua alma!
- Um silêncio profundo caiu sobre os dois naquela varanda florida. Após o que o rapaz levantou-se da cadeira onde estava... Aproximou-se mais da flor e olhando maravilhado para a doce velhinha,exclamou,mal acreditando nos próprios olhos.
- Eu não acredito, mas esta flor está sorrindo para mim!
- É minha mãe sempre foi risonha!
(O rapaz olha perplexo para a velhinha) – Inacreditáveis os poderes da nossa imaginação!
- Vem aqui bebê, sente-se ao meu lado. Vou apresentá-lo a outra pessoa. Uma pessoa tímida que não quer ser vista assim de perto.
- Aquele Cravo Lilás lá bem na ponta do caramanchão, está vendo?
- Espere!Estou procurando. Ah. Sim!Um cravo pequeno.
- Sim, pequeno e se você olhar bem verá que está meio virado para baixo.
-Vai-me dizer que conhece ele também?
A velhinha suspirou – È o meu Pai! Que saudades!
E aquela doce velhinha incrível, sobrenatural fez desfilar diante do olhar perplexo do rapaz toda a sua família, noras, genros, netos, bisnetos... Todos sorrindo, diga-se de passagem: ETERNAMENTE FELIZES!
Ao final, o rapaz quedou silencioso. Muito emocionado, falou baixinho, murmurando de si para consigo:- Não consigo entender, qualquer pessoa que conseguisse este milagre, de conviver, olhar todos os dias para os semblantes dos entes queridos que partissem... Digo qualquer pessoa... Ainda mais a senhora que não tem mais ninguém... Diga-me, por favor, porque deseja vender a casa?
A velhinha levantou-se vagarosamente e andando pelo caramanchão, com os olhos cheios de lágrimas respondeu:
-É verdade. Não quero ficar aqui assim, só olhando todos os dias e chorando todas as noites. Quero ir para junto deles porque estou morrendo de solidão. Venderei a casa. Depois,olhando fixamente no fundo dos olhos incrédulos do rapaz,sussurrou:
- Quero virar flor!

 
Neli Silva
Enviado por Neli Silva em 11/01/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras